Fundo Paginas Justiça e Paz
sd sadas d saodaspd as das dasddi f d ifºsdf sdfç sdfidfds fds fsdfidsof sd fosd fsdfi sdif sF SD FPSD IFO SDIOF SD PF SDFDSPFO SDP F
sd sdsd s ds dsdsd s
sd sdsd s ds dsdsd s
sd sdsd s ds dsdsd s

7EI | Arquitectura

7EI | Arquitectura

(esq. para dir.) Sara Rocha, Nuno Martins, Rui Fernandes, Margarida Pedroso de Lima, José António Bandeirinha, Helena Freitas e Liliana Pires.

 

Neste 2.º Encontro Itinerante do TEAR, no dia 16 de dezembro, no Colégio das Artes, começou-se por escutar, durante breves minutos, parte da história do edifício do actual Colégio das Artes, não só da sua origem mas também dos vários tipos de utilização que o mesmo já teve.

Alguns elementos da equipa convidada, Building 4Humanity, mostraram como é possível fazer arquitectura próxima da comunidade, em especial das pessoas mais carenciadas que, por algum motivo, vivem em condições indignas para um ser humano.

Por "fazer" arquitectura não se pode entender apenas o projectar do espaço, mas também o "fazer" sentir bem nesse espaço; este é um aspecto muito importante, especialmente quando se trabalha com culturas diferentes da nossa, em que o bem-estar é sentido de uma forma diferente. E fazer sentir bem aquelas pessoas que pouco ou nada têm é, sem dúvida, uma forma de solidariedade e de espiritualidade.

Foi referido que "o futuro da psicologia é a arquitectura", no sentido do bem-estar do ser humano estar relacionado com o local onde se insere, onde há "os outros", onde tem de (con)viver. De facto a relação do ser humano com os locais pode ser altamente transformadora, de uma forma positiva (ou negativa), porque o seu espírito deixa-se influenciar, muitas vezes sem se aperceber, pelo espaço que o rodeia.

Numa sociedade a espiritualidade está sempre presente, por vezes onde tal não seria expectável. Um dos convidados deu o exemplo de um campo de refugiados, depois de um terramoto no Haiti, em que existiam inúmeras tendas, a perder de vista. No meio delas destacava-se uma, maior que todas as outras, e que toda a gente sabia o que significava. Num local em que a cidade tinha sido (praticamente) arrasada, em que se tinham perdido (quase) todas as referências físicas, em que as pessoas viviam um enorme drama, organizaram a sua "cidade" de forma a terem um espaço muito próprio para viverem a sua espiritualidade.

Fazer arquitectura é, acima de tudo, melhorar a vida de alguém, é fazê-lo sentir bem. E como alguém disse "Deus é um grande arquitecto!"… Porque será?

 

26 Dezembro 2013

 

 

 

Morada

 

 

Telefone

 

Email

Couraça de Lisboa, nº30
3000-434 Coimbra

 

239 822 483

 

iu.justicaepaz@gmail.com

Twitter
junta-te à conversa